Destaque Feminino

Mulheres criam campanha de apoio para entidades que atendem vítimas de violência doméstica

 

Durante o período de confinamento social por causa da pandemia, estatísticas mostram que a violência contra a mulher aumentou consideravelmente em todo o mundo, evidenciando a necessidade de ações que colaborem com as vítimas que literalmente dormem com o inimigo e que o lar não representa necessariamente um local de segurança.
Com essa realidade, um grupo de mulheres de todas as regiões do país se uniram para contribuir com outras que no momento estão em vulnerabilidade social. Assim foi criado o Projeto Brazilinas.  Idealizado por Daniele Costa que batizou o coletivo de mulheres com o nome de sua sogra que foi assistente social no Rio de Janeiro e que atuava exatamente com mulheres.
O  Brazilinas reúne mulheres “comuns” que de alguma forma já atuavam com ações de cunho social e que sensibilizadas com a situação decidiram contribuir emergencialmente com entidades, programas e ações que já trabalham com mulheres em situação de vulnerabilidade social.
O povo brasileiro costuma ser solidário e em situações de emergência a força do #juntossomosmaisfortes se evidencia ainda mais. Acreditando nisso, o projeto Brazilinas foca nesse momento em ajudas emergenciais para mulheres em situação de vulnerabilidade social e o objetivo é que o projeto continue posteriormente.  Com a proposta de incentivar o empoderamento feminino através do fortalecimento da autoestima de cada mulher através de uma rede de apoio que contribua com capacitação profissional, emocional, suprindo necessidades emergenciais como as atuais e acolhendo novas ideias e caminhos que se mostrem importantes para mulheres em situação de vulnerabilidade social.
Campanhas no ar
As primeiras campanhas do projeto Brazilinas estão sendo realizadas na plataforma Solidário Brasil – que só disponibiliza espaço para ações de cunho social e com um processo de transparência no qual o doador pode acompanhar todo o procedimento da campanha que escolheu contribuir.   As ações que estão no andamento são em apoio ao programa Apolônias do Bem e a Casa Noeli. Em breve novas campanhas beneficiarão outras organizações que apoiam mulheres.
Apolônias do Bem
O programa Apolônias do Bem oferece tratamento odontológico integral e gratuito às mulheres que vivenciaram situações de violência e tiveram a dentição afetada durante as agressões. Desde 2012, quando começou a ser desenvolvido, ele já garantiu atendimento a mais de 1100 mulheres cisgênero e transgênero de todo o Brasil.
As beneficiárias são selecionadas por meio de triagens, quando passam por um rápido exame oral, não invasivo, e respondem ao OHIP (sigla em inglês, que significa Perfil de Impacto de Saúde Oral), uma ferramenta científica que mede o impacto da saúde bucal na qualidade de vida de uma pessoa. São priorizadas as mulheres com problemas odontológicos mais graves e OHIP mais alto, que sustentam a família e retomaram os estudos ou estão fazendo cursos de capacitação profissional.
Os tratamentos são oferecidos por meio de uma rede de dentistas voluntários, que realizam todos os procedimentos que as mulheres necessitam, independentemente da complexidade apresentada. Uma vez no programa, as beneficiárias e os profissionais que as atendem são acompanhados pelos funcionários da Turma do Bem até que os tratamentos se encerrem.
Por que Apolônias?
Personagem histórica, Apolônia viveu em Alexandria e morreu em 249, após ser presa, espancada e ter seus dentes quebrados e arrancados. Com o projeto, a TdB leva assistência odontológica para as apolônias de hoje, que também estampam a marca da violência em seus rostos.  Infelizmente durante o período de confinamento social os casos de violência doméstica estão aumentando muito e os dentistas precisam utilizar EPIs específicos e com valores altos, então o programa precisa de ajuda também para comprar esses EPIs.
Casa Noeli
A Casa de Apoio a Mulheres em Situação de Violência Noeli dos Santos, localizada em Ariquemes, Rondônia, acolhe mulheres em situação de violência, juntamente com seus filhos e filhas por um período de um a 90 dias. Após o acolhimento, segue acompanhando a vida das mulheres atendidas.
 Normalmente acolhe cerca de 25 mulheres por mês e é uma entidade de referência em atendimento em toda a região do Vale do Jamari, que reúne oito municípios. No momento as principais necessidades da Casa são cestas básicas, kits de higiene pessoal incluindo absorventes, fraldas geriátricas e infantis além de sabonetes, creme dental e máscaras e kits de produtos de limpeza.
Contato com o Brazilinas 
Instagram :  @projeto_brazilinas

Adicionar comentário

Clique aqui e comente