Você sabe o que é diástase?

Cerca de 30% das mulheres desenvolvem diástase após a gravidez

Gravidez

Quando você apalpa a parede externa do seu abdôme sente como se um pequeno buraco separasse os dois lados da musculatura da sua barriga? Então está na hora de procurar um médico. O que você tem é chamado diástase, uma separação entre certos músculos abdominais que, se não for tratada, pode provocar dores nas costas e nas pernas. Esse problema acomete cerca de 30% das mulheres no pós-parto. Nós conversamos com a ginecologista e obstetra Cristina Noronha, que nos explicou o que exatamente é essa doença, quais suas causas e seus tratamentos.

Feminino: O que é a diástase? Quais são as causas da doença?
Cristina: Diástase é o afastamento dos músculos retos do abdome. Estes músculos são aqueles que fazem os “gominhos” do abdome “malhado”, são em número de dois  e paralelos, laterais um ao outro. Quando há um aumento da pressão intra abdominal com o afastamento destes músculos (gestações múltiplas, obesidade, desnutrição, etc) ocorre a diástase.

F: Existe algum fator de risco?
C:Mulheres que não fazem exercícios físicos e, assim, não têm o abdômen trabalhado, desenvolvem mais chances de apresentar o problema. Contribuem também hormônios que, na gestação, provocam relaxamento muscular. Os fatores que predispõem uma mulher grávida para uma diástase do reto abdominal são usualmente: gestações múltiplas, obesidade, um bebé grande e excesso de líquido amniótico. Os sintomas mais comuns são dores na zona lombar, nádegas, coxas e uma protuberância no meio do abdómen quando se senta ou está de pé.

F:Como é feito o diagnóstico? 
C:O diagnóstico é feito com o exame físico. Você pede para a paciente deitada se levantar sem o auxílio das mãos (como se fosse fazer abdominal) e percebe-se uma elevação na região central do abdome. Para saber a extensão do problema e ter mais clareza no diagnóstico deve-se fazer um  ultrassom e  buscar a avaliação de um fisioterapeuta. Se o afastamento for menor que quatro centímetros, exercícios físicos para a região abdominal podem reverter a situação em até três meses. Se for maior, é necessária uma cirurgia para unir os lados.

F: Existe algo que a mulher possa fazer sozinha para identificar o problema?
C:Na maioria das vezes o diagnóstico é feito pela própria paciente, ela só não sabe o nome do problema. Ela se queixa justamente de um abaulamento na região central da barriga ao se levantar, ao tossir ou fazer algum esforço.

F: O que pode ser feito para evitá-la?
C: Não dá para prevenir a diástase, mas manter o espaçamento estre as gestações em pelo menos dois anos, fazer exercícios físicos que fortaleçam a região, como pilates, acompanhados de um profissional e manter uma boa alimentação pode reduzir as chances.

F: Existe cura ou tratamento para a doença? Em que consiste o tratamento?
C: Sim. A depender do tamanho do afastamento, o tratamento mais indicado é o exercício físico, que deve ser acompanhado por um fisioterapeuta. Mas o tratamento definitivo é cirúrgico. A cirurgia consiste num corte transversal no abdome inferior (como se fosse uma cesareana) com descolamneto do tecido até o nível do umbigo ou acima se for necessário. Faz-se uma aproximação dos músculos sendo eles fixados pela aponeurose (uma pele grossa que recobre a musculatura abdominal como se fosse uma cinta). Esta cirurgia também é estética pois diminui o volume do abdome e define a cintura da paciente. O tempo de recuperação após o parto é diferente para cada mulher. Isso pode depender do corpo que você tinha antes de engravidar e pode levar apenas alguns meses ou até mais de um ano para que a recuperação completa ocorra.

abdominoplastia

Abdominoplastia

Leia também